Mogi das Cruzes
Mogi das Cruzes
Suzano
Bititiba Mirim
Segunda à Sexta das 8h00 às 18h00 Rua Profa. Leonor de Oliveira Melo, 94 Jd. Santista
Segunda à Sexta das 8h00 às 17h30 Rua Sara Cooper, 484 Jd. Santa Helena
Segunda a Sexta das 8h30 às 17h00 Rodovia Alfredo Rolim de Moura, 190, sala 1
Mogi das Cruzes
Suzano
Bititiba Mirim

Presidente do Sincomerciários

Jair Mafra

JAIR FRANCISCO MAFRA

Os comerciários de Mogi das Cruzes contam com um líder atuante na defesa de seus direitos.
O paranaense – e motoqueiro nas horas vagas – Jair Francisco Mafra é o presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio (Sincomerciários) de Mogi, Suzano, Guararema, Salesópolis e Biritiba Mirim.
Com uma liderança nata, Mafra não poupa esforços quando o assunto é garantir boas condições de trabalho aos empregados do comércio.
Ele, que trabalhou por mais de 20 anos como comerciário, conhece as necessidades da categoria.
Durante a entrevista, o presidente do sindicato mostra algumas de suas qualidades: A firmeza nas palavras e a capacidade de tratar todas as pessoas com a mesma atenção. Um cuidado que é estendido aos comerciários, seja em frases publicadas no informativo da entidade ou em negociações com o sindicato patronal.
Mafra revela a sua história com Mogi, que teve um começo difícil, mas que só melhorou ao longo dos anos.
Segundo as palavras do próprio presidente, ele não está sozinho na luta pelos direitos trabalhistas e cada vitória conquistada aumenta a força do sindicato.

TRAGETÓRIA

Nascido em Cambé, no norte do Paraná, que é uma cidade vizinha a Londrina.
De uma família de 11 irmãos, sendo nove homens e duas mulheres.
Passando toda a infância na zona rural de Cambé, já que seu pai era administrador de fazenda.
Anos mais tarde, mudou para Londrina, onde seu pai trabalhou na prefeitura.
Aos 13 anos, começou sua vida profissional no comércio, em um armazém de secos e molhados. Aos 20 anos, foi contratado por uma empresa de tecidos, do Grupo Zogbi, onde começou como vendedor até chegar à gerência.
Trabalhei nesta empresa por mais de 20 anos. Quando eu tinha uns 28 anos, fui transferido para Jacareí, em São Paulo.
Dois anos mais tarde, vim para Mogi das Cruzes.

ANALFABETO POLÍTICO

O pior analfabeto é o analfabeto político; Ele não ouve, não fala;
Nem participa dos acontecimentos políticos;
Ele não sabe que o custo de vida;
O preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticos;
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia política;
Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política nasce à prostituta, o menor abandonado, o assaltante e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e o lacaio das empresas nacionais e multinacionais.

Bertold Brecht – Dramaturgo e Poeta alemão (Augsburg 1898 – Berlim 1956)

RETRATO DE MÃE

“Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus;
e pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo;
que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com forças todas da juventude, quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças;
pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama, e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre feridos pelos ingratos;
forte, entretanto estremece ao choro de uma criancinha, e, fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões;
viva, não lhe sabemos dar valor porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que somos e tudo o que temos daríamos para vê-la de novo, e dela receber um aperto de seus braços, uma palavra de seus lábios.
Não exijam de mim que diga o nome dessa mulher, se quiserem que ensope de lágrimas este álbum: porque eu a vi passar no meu caminho.
Quando crescerem seus filhos, leiam para eles esta página: eles lhes cobrirão de beijos a fronte, e dirão que um pobre viandante, em troca da suntuosa hospedagem recebida, aqui deixou para todos o retrato de sua própria MÃE...”

Don Ramon Angel Jará
Bispo de La Serena - Chile
Tradução de GUILHERME DE ALMEIDA

CARTA ABERTA AO MEU PAI

1- Não me dês tudo o que te peço. Às vezes meus pedidos querem ser apenas um teste para ver quanto posso pedir.
2- Não grites comigo. Eu te respeito menos quando o fazes, e me ensinas a gritar também e eu não queria fazer isto.
3- Cumpre as promessas que fazes, boas ou más; se me prometes um prêmio, deves concedê-lo, assim como castigo.
4- Não me compares a ninguém, especialmente com meus irmãos. Se me colocas acima deles, alguém vai sofrer. Se me colocas abaixo, eu é que sofro.
5- Não mudes de opinião a cada momento sobre o que devo fazer. Penses antes mantendo a decisão.
6- Deixa que eu faça, acertando ou errando. Se fazes tudo por mim, serei um eterno dependente.
7- Nunca pregues uma mentira, nem me peças que eu o faça. Isto criará em mim um mal estar e me fará perder a confiança em tudo que afirmas.
8- Quando te enganas em alguma coisa, admite-o francamente. Isto não te diminuirá a meus olhos, pelo contrário, te fará crescer e eu aprenderei a assumir minhas falhas.
9- Quando te deres contas de um problema meu, não digas que é bobagem, que o tempo corrige ou que não tens tempo. Eu preciso ser compreendido e ajudado.
10- Trata-me com a mesma cordialidade com que tratas teus amigos. Pelo fato de pertencermos à mesma família, não significa que não possamos ser amigos também.
11- Nunca ordenes que eu faça uma coisa quando tu mesmo não a fazes. Eu aprendi a fazer sempre e apenas aquilo que tu fazes e não aquilo que tu dizes.
12- Ensina-me a amar e a conhecer a Deus. Tudo o que ensinares a respeito de Deus nunca entrará em meu coração e em minha cabeça se tu não conheces nem amas a Deus.

Teu Filho